Desabafo de um dia sem inspiração

A falta de inspiração como fonte de desenvolvimento

  Todos nós queremos a fórmula do sucesso, da satisfação pessoal e da inspiração infinita. Tornar algo concreto sem muito esforço é um dilema. Mas, já parou para pensar como o mundo seria egoísta se isso acontecesse? Imagine como seria ter seu mundo padronizado por uma "regra de felicidade", algo chato, sem sentido e extremamente igual ao universo do outro - isso é algo que todos dizem a todo tempo, chega a se tornar clichê e repetitivo - não estou aqui para isso, estou aqui para falar sobre o conhecimento como forma de desenvolvimento, sobre a inspiração. 
 Se parar para pensar todo ser humano que torna-se incapaz de realizar algo, passa a ser mais inteligente e desenvolver algo diferenciado para melhorar sua qualidade de vida - não necessariamente isso acontece com todos -, isso não faz da pessoa apenas "alguém especial", faz desse ser humano um ser sábio.
 Na vida é preciso inspiração, conhecimento, força de vontade e o famoso CRER, pense comigo: acontece um acidente de carro com Joãozinho, ele perde o movimento das pernas. Como não possui mais o meio locomoção habitual ele deixa de fazer tudo; andar de carro, passear pelo parque, subir escadas, trabalhar, tudo. Joãozinho conhece um bom círculo de amigos, boa parte também deficientes, mas nada muda em sua vida. No mesmo acidente temos Joana, que também perde o movimento das pernas, mas passa a querer fazer tudo novamente, conhece pessoas que inspiram sua vida, acredita em si mesma e tem vontade de fazer o que fazia antes de seu acidente.
 O que faz das duas vidas diferentes? NADA.
 As vidas não mudam, as ações sim. 
 Inspiração + Conhecimento + Força de vontade = Resultados.
 Joana com o passar do tempo, voltou a trabalhar, mesmo em sua cadeira de rodas. Ela pega ônibus todos os dias, mas já está com ideias de comprar seu próprio carro adaptado. 
 A jovem não ficou esperando que algo acontecesse, foi buscar informação com aqueles que já possuíam conhecimento, buscou oportunidades e o principal teve fé em si mesma.
 O maior desafio quando se quer chegar em algum lugar, é acreditar em si mesmo, fazer acontecer ao invés de "deixar a vida me levar", como diz a música.
  Mas, o que faz dessa história inventada por uma mente doentia, relevante? Nada, absolutamente nada!
 Isso foi apenas um treino, que serviu como uma fonte de inspiração para escrever em dias, aos quais, nada vinha à minha mente.

Ps: À pedidos do Senhor Crítico, prometo escrever mais assuntos do cotidiano. Segundo ele, estava me tornando um caderno cultural de qualquer jornalzinho impresso por aí.


Comentários

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, sempre o senhor critico, movendo os blogs por aí!!
    então, seria realmente um saco... Concordo plenamente com tudo que disse, genial!
    E cotidiano é MARAAA!!

    @juhhouse

    ResponderExcluir
  2. @juhhouse
    O sr. Crítico curte ser aclamado pelas multidões, ele gosta dessa popularidade blogosférica ahahahha

    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pela visita.
Deixe seu comentário sobre o post, e sempre que quiser sinta-se a vontade em entrar e bisbilhotar :D

Beijos, Pri Viotto

Postagens mais visitadas deste blog

Meat the Truth - Uma verdade mais que inconveniente

Enquanto Seus Lábios Ainda Estão Vermelhos